Entrevista com Kennedy Nascimento

0
1028


Com apenas 22 anos ele é um dos bartenders mais promissores do pais. Kennedy Nascimento desde criança observava seu pai trabalhando no bar que a família possuía em Ribeirão Pires. Foi com esta lembrança que tomou gosto e respeito pelo universo das bebidas. Com vários cursos de especialização já passou por bares como MyNy Bar, Epice e Beato. Atualmente faz parte do Grupo Vegas, como gestor de bares e bebidas de casas como Riviera Bar e Z Carnicería.
Meses atrás recebeu o título de melhor bartender do Brasil pelo DIAGEO World Class Brasil e também melhor da América Latina pelo DIAGEO World Class Latin America.  Semana passada representou o Brasil na Africa do Sul na etapa final do World Class e me recebeu no Riviera Bar para conversarmos sobre esta experiência.
Alem do titulo de campeão do World Class Brasil você ganhou o Latin America no Boot Camp realizado no Panamá. Como foi este campeonato?
O Boot Camp é um treinamento com todos ganhadores do World Class da America do Sul e Central para treinar e aumentar as habilidades com objetivo de fazer uma ótima apresentação no mundial. Treinamos várias provas que serão realizadas no campeonato e no final eu fui o campeão.
E a final. Como foi? Quais foram as provas?
Éramos 54 competidores e tivemos várias provas como Dia e Noite (um coquetel para cada período), Against the clock (desafio contra o relógio 10 drinks em 10 minutos), Around the World (criar um ritual para representar um drink de seu pais), Retro/Disco/Future (um drink para cada era) e Street Food Jam (harmonização drinks com comidas). Cada desafio contava pontos e os seis melhores foram para final. Ai eles tinham que criar um Pop Up bar em 24 horas com 500 dólares praticamente do zero.
Qual foi a sua maior dificuldade no concurso?
Tempo de preparação entre o campeonato no Brasil e o Mundial e idade. Não vejo como dificuldade mas meu objetivo foi mostrar meu trabalho sem me preocupar diretamente com o título. Estava lá para aprender e ganhar experiência. Queria conhecer o World Class, jurados e competidores
Como você viu o nível dos competidores da America Latina e do resto do mundo?
Em termos de criatividade muito bom, mas acho que falta um pouco mais de técnica na elaboração do coquetel e postura como bartender. Os demais competidores tem uma postura e técnica diferenciada talvez por que a cultura de bar na Europa e outros países esteja muito mais difundida.
Pretende tentar ganhar o título novamente?
Sim mas só daqui a alguns anos. Quero me preparar muito mais, fazer excelentes coquetéis, escolher os melhores ingredientes e trabalhar muito com o psicológico. A pressão é muito grande e temos que estar preparados para lidar com imprevistos que podem acontecer durante as provas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here